Entrada A Freguesia
História - Alpiarça e as invasões francesas PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Quarta, 13 Agosto 2008 23:36
Indíce do artigo
História
Memórias paroquiais
Alpiarça na literatura
Alpiarça a concelho
Alpiarça e as invasões francesas
A guerrilha de Alpiarça
José Relvas chega a Alpiarça
José Relvas “o motor” do 5 de Outubro
Todas as páginas
Agora a outras histórias

Depois de termos apresentado alguns apontamentos ligados a Alpiarça, desde as suas origens até à constituição do concelho, vamos agora a outras histórias, a maior parte delas de cunho político bem vincado, passadas nesta terra, entre as invasões francesas e 1974.
Embora com uma classe importante de grandes agricultores, os camponeses foram ao longo dos anos a classe mais numerosa do distrito de Santarém e muito particularmente de Alpiarça, à imagem do que sucedia no resto do país, onde o trabalho na agricultura ocupava no inicio do século XX mais de 60% da população. Segundo dados oficiais o distrito de Santarém, que contava por volta de 1910 com cerca de 325.000 habitantes, tinha 80% de analfabetos e uma população activa de 39%, isto é, apenas 128.300 habitantes tinham profissão definida, e destes, cerca de 95.000 viviam da agricultura, em cuja classe se encontrava também o maior número de analfabetos.
 
A terra, sobretudo a vinha, foram desde sempre o ganha-pão para a maioria das famílias em Alpiarça e por isso não é de admirar que fosse frequente a precariedade no emprego em diversas épocas do ano, motivada pelas condições climatéricas e cheias do Tejo, como também eram más, regra geral, as condições de vida, o que era consequência dessa instabilidade e dos salários baixos que se praticavam nos campos. Foram estas condições adversas que motivaram, a maioria das vezes, as pessoas para se juntarem e lutarem por aquilo a que se julgaram com direito. E não foram poucas as vezes em que as vozes do descontentamento se fizeram ouvir, fosse dentro das fronteiras da vila, contra os lavradores, fosse manifestando as suas posições contra o poder central, aspecto em que Alpiarça tem uma tradição muito antiga de luta contra a prepotência e contra qualquer tipo de ditadura.

A maioria da população de Alpiarça esteve sempre ao lado dos que defendiam a liberdade, como bem essencial da dignidade humana.
 
A primeira grande manifestação pública dessa forma de estar teve lugar no tempo das invasões francesas, em que Alpiarça recebeu muitos populares que haviam fugido de Santarém, quando em Setembro de 1810 o Marechal francês Massena ali acantonou as suas tropas, como também foi em Alpiarça que se aquartelaram parte das tropas anglo-portuguesas que faziam frente ao exército francês, nomeadamente o Regimento de Cavalaria nº 10, então sob o comando do Visconde de Barbacena, que se juntou na margem sul do Tejo para impedir a progressão das tropas francesas para sul. Será interessante referir que uma das brigadas deste Regimento era comandada pelo jovem Alferes, Bernardo Sá Nogueira, que viria a tornar-se no Marquês de Sá Bandeira e numa personalidade de grande influência politica no país.
 
 
atualizado em Terça, 26 Agosto 2008 22:48